dimanche 3 juin 2018

Cecilia Meireles - "Canção / Chanson"

image du net
Cecília Benevides de Carvalho Meireles  (1901 - 1964) –  professeur et poétesse brésilienne
Cecília Meireles est née à Rio de Janeiro, dans une famille d'origine portugaise qui était partie s'installer au Brésil. Orpheline dès son très jeune âge, Cecília a été élévée par sa grand-mère originaire des Açores, qui lui racontait des contes et qui a grandemente encouragé son  goût pour la littérature et son sens de l'humanisme. 
Son enfance solitaire se devine dans ses poèmes de profonde réfléxion sur contemplation et la place dédiée à l'éphémère.
En 1922, elle se marie avec l'artiste plasticien portugais Fernando Correia Dias avec qui elle aura trois filles, Maria Elvira, Maria Matilde et Maria Fernanda. La plus connue d'entre elles est Maria Fernanda Meireles Correia Dias, qui deviendra actrice... (Wikipedia)


J'ai preparé la traduction d'un joli poème de Cecília Meireles, j'espère que cela vous aiderá à l'apprécier ! un poème sur le destin cruel, la perte des rêves non réalisés, que le poète détruit pour que tout paraisse en ordre...
Canção / Chanson

J’ai mis mon rêve sur un navire
et j’ai mis le navire sur la mer;
- puis, j’ai ouvert la mer avec les mains,
pour que mon rêve puisse naufrager.

Mes mains sont encore mouillées
du bleu des vagues entrouvertes,
et la couleur qui coule de mes doigts
colore les plages désertes.

Le vent s’approche de loin,
la nuit se courbe de froid;
au fond de l’eau périt peu à peu
mon rêve, qui est dans un navire...

Je pleurerai autant qu’il le faut,
pour que la mer puisse monter,
et que mon navire atteigne le fond
et que mon rêve soit emporté.

Après, tout será parfait;
la plage lisse, les eaux ordonnées,
mes yeux secs comme les pierres
et mes deux mains brisées.
Et voici le texte original du poème:
Canção -

Pus o meu sonho num navio
e o navio em cima do mar;
- depois, abri o mar com as mãos,
para o meu sonho naufragar

Minhas mãos ainda estão molhadas
do azul das ondas entreabertas,
e a cor que escorre de meus dedos
colore as areias desertas.

O vento vem vindo de longe,
a noite se curva de frio;
debaixo da água vai morrendo
meu sonho, dentro de um navio...

Chorarei quanto for preciso,
para fazer com que o mar cresça,
e o meu navio chegue ao fundo
e o meu sonho desapareça.

Depois, tudo estará perfeito;
praia lisa, águas ordenadas,
meus olhos secos como pedras
e as minhas duas mãos quebradas.

Cecília Meireles, in 'Viagem'

Mis en music pour être chanté par Amália Rodrigues avec le titre de NAUFRÁGIO, les paroles ont été chantées par un grand nombre d'artistes depuis Amália; je vous propose d'écouter la chanteuse portugaise Micaela Vaz en ton de fado:
 
Micaela Vaz - Naufrágio
Publié par Micaela Vaz

Micaela Vaz canta "Naufrágio" - letra de Cecília Meireles e música de Alain Oulman, com Ricardo Parreira na Guitarra Portuguesa e Marco Oliveira na Viola de Fado. Espectaculo "Com qu voz" - Odegand Festival - Ghent - Bélgica - 12-09-2009 

..Cecília nasceu no Rio de Janeiro em 1901. Órfã de pai e de mãe, foi educada pela avó materna, que exerceu forte influência sobre a sua formação. Escreveria mais tarde: “Nasci aqui mesmo no Rio de Janeiro, três meses depois da morte de meu pai, e perdi minha mãe antes dos três anos. Essas e outras mortes ocorridas na família acarretaram muitos contratempos materiais, mas, ao mesmo tempo, me deram, desde pequenina, uma tal intimidade com a Morte que docemente aprendi essas relações entre o Efêmero e o Eterno. Minha infância de menina sozinha deu-me duas coisas que parecem negativas, e foram sempre positivas para mim: silêncio e solidão. Essa foi sempre a área de minha vida...
https://www.revistabula.com/7668-os-melhores-poemas-de-cecilia-meireles

Chegando ao Poetizando e ao convite da nossa querida prof. Lourdes, esta é a minha participação nesta 38ª Edição do Poetizando e Encantando com a
1ª Imagem- Um casal de namorados em um momento singelo de carícia ou carinho.

O abraço

Perdida no sentido da vida
procuro o equilíbrio do ser,
no tempo que passa e que pesa
nos júbilos de aprender!

Falam-me as pedras da rua
brilho de vibrantes cristais,
acenam-me as velas nas ondas,
de barquinhos irreais.

Viram-se flores de girassol,
que o sol deveriam seguir,
que mistério por desvendar?
que a mim querem aludir?

Chegada a noite tenebrosa,
de estrelinhas cintilantes
recebo mensagens seguras
de boas novas distantes!

Será que tudo se liga
para me dar a entender,
que sinto no teu abraço
o aconchego do meu viver!

Angela

13 commentaires:

  1. Gosto muito da poetisa!
    Gostei de ouvir o Naufrágio e a sua inspiração permite uma ótima participação!
    Gosto da partilha ... bj

    RépondreSupprimer
  2. Querida Ângela, parabéns pelo belo post sobre a Cecília Meireles essa grande mulher que era pura poesia.

    Quanto a sua participação, encantadora sua poesia! Uma poesia profunda, e terna ao mesmo tempo.

    Falam-me as pedras da rua
    brilho de vibrantes cristais,
    acenam-me as velas nas ondas,
    de barquinhos irreais.

    Os sonhos realizados ou não, como cristais que brilham nas pedras brutas. Assim segue o amor tão desejado.

    Obrigada querida por mais uma vez nos da o prazer de apreciar seu lindo poetar. Seja sempre bem vinda! Tenha um dia feliz, abraços

    RépondreSupprimer
  3. Olá Angela
    Soberba introdução com a inesquecível Cecília Meireles e este vídeo tão majestoso que nos encanta com a magnífica performance da intérprete e para culminar toda esta exuberância brinda-nos com um poema soberbo que nos arrebata ao cintilar dos sonhos
    Beijos e um domingo de paz e alegrias

    RépondreSupprimer
  4. Cecília Benevides de Carvalho Meireles, uma grande mulher! Um post maravilhoso! parabéns pela homenagem amiga.

    Sua escolha da imagem amiga, resultou em uma encantadora poesia. Doce, terna, e lírica. Parabéns pela linda participação querida Ângela! Bjuss

    RépondreSupprimer
  5. Boa Noite, querida amiga Ângela!
    Amo Cecília também...
    Fomos pelos campos florais além da lavanda sugerida... eu no majericão e você no campo de girassois... lindíssimo, por sinal!
    Um naufrágio de amor é terrivel e tendem mesmo a desaparecerem... Fico triste só de imaginar a dor alheia...
    Que os vibrantes cristais sejam Luz de serenidade e de aconchego, amiga em nosso amor como dise num verso que poetou com inspiração ímpar... vejo brilho, luz radiosa e encantamento nestes cristais bem como um 'perigo' eminente pela fragiliddade dele...
    Na chegada da noite, vem mensagem segura de um amor lindo que nos assegura um belo amanhecer...
    Seja muito feliz e abençoada junto aos seus amados!
    Bjm fraterno e carinhoso de paz e bem

    RépondreSupprimer
  6. Os sentires se ligam, se abraçam, dementem desencontros quando a vida aprende a poetizar e encantar.

    Um abraço e uma boa semana.

    RépondreSupprimer
  7. Olá Angela, vir aqui é certeza de encontrar um mar seguro de poesia. Maravilha reler Cecília nesta poesia. E este Naufrágio ficou maravilhoso que a gente repete. E você com toda graça uma linda participação inspirada neste abraço que enlaça sonhos e desejos além de fazer tocar os corações, como bem define a ultima estrofe. Meus aplausos Angela e que bom que vem sempre neste projeto lindo da Lourdes e assim nos presentear.
    Uma linda semana com paz e flores pelos caminhos e ótimas inspirações.
    Meu terno abraço amiga.
    Beijo.

    RépondreSupprimer
  8. Também entrou no desafio de poetizar??
    fez bem que o resultado é óptimo.
    Boa semana

    RépondreSupprimer
  9. Tudo belíssimo.
    Parabéns pela inspiração e talento.
    Ótima semana e excelente Junho.
    ~~~~

    RépondreSupprimer
  10. Angela!
    Que abraço apertado e gostoso, provando a doçura do amor.
    Parabéns!
    Desejo uma semana repleta de realizações!
    “O que eu sinto eu não ajo. O que ajo não penso. O que penso não sinto. Do que sei sou ignorante. Do que sinto não ignoro. Não me entendo e ajo como se entendesse.” (Clarice Lispector)
    cheirinhos
    Rudy
    http://rudynalva-alegriadevivereamaroquebom.blogspot.com/2018/06/divulgacao-cultural-71-38-poetizando-e.html

    RépondreSupprimer
  11. https://poemasdaminhalma.blogspot.com/
    Olá Anêla!
    Maravilhoso e excelente poema. O abraço... aquele que tanto nos pode dizer... quem diz, que não é bom receber?

    Será que tudo se liga
    para me dar a entender,
    que sinto no teu abraço
    o aconchego do meu viver!

    Adorei, o abraço faz milagres, no momento ao receber.
    Beijinho.
    Luisa

    RépondreSupprimer
  12. Bom dia!
    Passando mais uma vez com o convite do poetizando e já comunicando que acabei de postar antecipado. Esse final de semana haverá manutenção nos cabos da internet e na minha rua não sei acontecerá a falta. Na dúvida postei. As imagens dessa edição estão motivadoras a composição de lindas poesias!
    Ficarei feliz com sua encantadora participação mais uma vez. O Poetizando ficará no decorrer de toda próxima semana a partir de hoje.
    Deixo esse pensamento que me serviu muito de reflexão e impulso para seguir, espero que goste.
    “Deslumbrante a grande arte da Vida é Acordar depois de um Sonho, levantar depois de um tombo, sorrir depois de uma Decepção e nunca se Desanimar!
    É olhar pra Frente com a esperança de Vencer.
    Lute sempre com fé e determinação em todos os momentos de sua vida.
    Só não desista nunca dos seus objetivos nem dos seus sonhos”.
    Abraços Carinhosos da amiga Lourdes Duarte.

    RépondreSupprimer
  13. Os descendentes açorianos se orgulham muito por Cecilia. Há ela e outros grandes luzeiros que foram de descendência açoriana: Rui Barbosa, Érico Veríssimo e outros. Parabéns, Angela! Está perfeita a postagem. Grato também pelo video de cantigas ao desafio deixado no meu blog - lindo! Minha gratidão! Abraço fraterno! Laerte.

    RépondreSupprimer

Merci de tout coeur pour vos visites et commentaires!